Numa noite escura, um rouxinol começou a cantar em frente da janela de Florinda.

A Florinda saiu da cama e veio ter com o rouxinol.

O Rapaz de Bronze também estava lá, e perguntou-lhe se queria ir à festa das flores.

Ela aceitou.

Mais tarde, foram os dois para a festa.

O Rapaz de Bronze mostrou à Florinda o lugar onde iria ficar à noite – numa jarra de pedra.

Florinda achou estranho ficar sentada na jarra de pedra, mas não se importou!

Por fim começou a festa. Os animais começaram a cantar. Logo a seguir começaram a chegar as flores.

A Florinda, se fosse uma flor, queria ser a flor do Muget, por estar escondida na erva dentro de duas folhas verdes.

Florinda estava a adorar a festa.

Mais tarde ouviram o galo que estava a anunciar o dia.

As flores começaram a ir para os seus canteiros.

Quando Florinda foi para a escola, contou aos seus colegas a sua noite na festa com as flores. Mas os colegas não acreditaram, e Florinda começou a achar que tinha sido tudo um sonho.

Passados uns anos, quando Florinda tinha 15 anos, foi até ao jardim e o Rapaz de Bronze perguntou-lhe se ainda se lembrava da noite da festa.

Florinda respondeu que ainda se lembrava de tudo, mas pensava que tudo tinha sido um sonho.

Florinda achou estranho o Rapaz de bronze ganhar vida; ele explicou que, de noite, ele e as flores ganhavam vida.

Ana Margarida, n.º 2

Diogo Fonseca, n.º 4

Ismael Teixeira, n.º 6